Thursday, June 15, 2017

Balada do Juízo


Balada do Juízo




Paixão, néscia dos bobos

Perda temporária de sanidade 
De sabedoria
Paixão, euforia,
Quanta energia!
Paixão, o néctar dos tolos
Em doses homeopáticas
Mistura de esperanças,
Frustrações e lágrimas.
Ah, paixão...que simpática!
E chega o dia!
O dia em que se aprende,
De tudo se arrepende,
Sobre tudo, se pensa:
Por que não atingimos o ponto
Em que se rapidamente 
a dispensa?
Ofensa? Não!
A paixão tem suas utilidades,
apesar das futilidades,
A paixão é alimento para os poetas.
O que seria das trovas,
se não fosse as facetas da paixão?
Contudo, hoje prefiro
Não incentivar esta emoção,
Advirto aos pobres,
Há sentimentos mais nobres!

luisadalartesa©




Thursday, September 18, 2014

Por quem os sinos dobram?



POR QUEM OS SINOS DOBRAM

Por quem devem os sinos dobrar?
Pelos que, sem ter como evitar
Comeram do banquete da miséria
Escarnecidos pelos que nada deveriam ter.
Por quem devem os sinos, repicar?
Pelos que não odiaram a sua divindade
Nos piores momentos de suas vidas
Pelos que continuam esperando
Aprendendo a exigir os mesmos direitos,
Que os daqueles que não são melhor do que eles.
Ouçam o repicar, ouçam o festejar!
Desta vez, os sinos vêm, a justiça bradar!



luisadalartesa©






Wednesday, September 17, 2014

Desfechos

Neste dia teve a história desfecho
História com H
Fato,
Neste dia lhe apertou o peito
Ficou entre o que achou dever
E o poder
O dever náo durou
Ao poder retornou
E a história
Continuou...


luisadaartesa©


Sunday, April 20, 2014

Coisas da Vida

Não há história neste mundo que fique sem desfecho,
Não há repentina separação que não fique no suspense,
Não há justiça que não venha
em seu determinado tempo...
Não há.

Monday, March 31, 2014

Armagedom!

'Eu tenho um Deus,
Eu não tenho religião.
Mas tudo o que sei,
E o que eu posso dizer,
É que:
O mundo está,
Realmente,
Merecendo o Armagedom!'

luisadalartesa©



Saturday, March 29, 2014

Tudo

Tudo
Tudo pode acontecer
Mas pode não ocorrer
Tudo pode
Mas nem tudo
Pode o tudo te fazer feliz
Pode o nada ser a sua diretriz
Tudo
Tudo é muita coisa, tudo é o demais
Tudo é tudo
Pra mim, tanto faz.


©luisadalartesa







Sunday, June 02, 2013

Engraçado







'És tu, tão engraçado...
Mandão, arrogante, debochado!
Mas fatalmente toda vez
Há o momento
Em que me olhas embaraçado!'





Cuide bem de seus passos

'Cuide bem de seus passos
Para não cair em laços.
Cuide bem de você
Para vir a merecer
A misericórdia, a benevolência, e o amor.'












Friday, August 10, 2012

A Felicidade

Felicidade...

Tu  procurastes a felicidade por toda a parte, por tantos anos sem nunca encontrar?
Procurastes porque nunca tentastes ver de fato onde ela está: no teu interior...
Pra fazer tudo dar certo, pra realizar teus desejos, pra manter o teu amor,
Tinhas apenas que olhar para o seu interior!
Felicidade ninguém dá, nem se pode comprar, felicidade tem que sentir, se dê asas para voar!

Felicidade és TU quem tem que criar!

Sumi Joy=Alegria=Yorokobu _  Luisa Dalartesa

luisadalartesa2012004568990










Wednesday, February 22, 2012

Sobre Deus



É preciso descobrir Deus.
E ele não está dentro de nós. Ele está fora.
Porque se o Homem O tivesse em seu interior,
não cometeria tantas bobagens.
Deus é perfeito.
O Homem não pode abrigar Deus dentro de si, 
senão pela fé em que deve e pode mudar,
tentar se aperfeiçoar e fazer o seu melhor.
Deus nos resgatou com a promessa de perfeição.
Esperai pois.

Tuesday, January 10, 2012

Cumplicidade


Dormiu toda a cidade,
fez-se paz e serenidade.
Nada se quer falar, nada se quer fazer,
o dia longo, extremo stress,
a hora, o trânsito, a chuva,
o asinte...a falta de educação...
O povo rápido de um lado para o outro,
sem prestar atenção.
Dorme toda a cidade...
_Graças! Há enfim tranquilidade!
Não é preciso falar,
fala no silêncio, o olhar da cumplicidade.

luisa dalartesa©



Sunday, October 09, 2011

O Tio Renato

De longe ele vinha
E eu esperava
No bolso, sempre muitas balas e doces!
Adentrava pela varanda imensa
Uma altercação intensa
Risadas, correria!
Vê-lo era sempre uma alegria!
Homem velho com mente infantil
Da ruindade alheia, pouco entendia
A pele moura, mui vezes, pálida
Cabelos bem negros, silhueta esquálida
O olhar perdido e meigo
O paletó escuro meio amarrotado
Mas como era esperado!
Na fala meio confusa,
Despejava o que tinha: um grande coração!
Porém um dia, triste dia...
Nunca mais à varanda voltou!
Nunca se soube, nunca se viu...
De lembranças, só o retrato
De nosso tio, chamado Renato.

Thursday, October 06, 2011

Vestibular



' A Vestibulanda' _ Luísa DalArtesa 

Estudar para aprender
Aprender... mas nunca tudo se chega a saber...
O conhecimento é infindo!
Matemático, lógico, é lindo...
Aprendemos para saber,
Para crescer, para viver,
Mas, muito mais,
Para saber conviver...

Monday, September 26, 2011

Flores para repensar



Flores pra você
Pra repensar o mundo
Pra mudar mais um pouco
Pra chegarmos lá.
Flores perfumadas
Com graça maculadas
Quando as colhi
Pra isto servem as flores
Para propor amores
Para propor amizades
Para propor a paz
Não faça que tanto faz!
Flores pra você.
Flores para nós.



Monday, June 06, 2011

Cinema

Talentos que encontramos e para o qual desejamos muito sucesso:

CINEMA

E se for pra não fazer
Dessa nossa vida um filme,
Tal Pedro, Glauber ou Fellini;
Então esqueça meu amor
Se quer ligue o projetor!


Thiago Esposito

Tuesday, May 10, 2011

Quietude




Quietude...
Longitude...
No silêncio, pensei...
Na vida
Nas coisas
Nas pessoas
No que importa
E no que nem tanto...
Quietude, longitude...
No silêncio pensei
E voltei
E ao voltar
Todas as coisas foram
Para o devido lugar
Segundo a sua importância
Quietude, longitude...
No silêncio é bom pensar!

Luísa Dalartesa


Monday, April 18, 2011

Voar

'Pássaros sobrevoando o desfiladeiro' by Luísa Dalartesa
Voar...


Voar para analisar


Voar pra saber medir


Voar pra saber pairar


Voar para aos céus pedir


Voar para o vento escutar

Voar pra nas alturas gritar


Voar pra saber cantar


Pra saber o poder


Para saber amar.


luisadalartesa©

Wednesday, December 29, 2010

A espera

'Um chá para a espera'  _ Luisa Dalartesa


Uma Espera

'Quando resolveres um dia chegar
Ainda O estarei amando
Pelo que sei
Estarei guardando
O que senti,
E o que sinto,
Com a certeza de que sentirei.
Porque o carinho virou amor
E o amor virou esperança
E a esperança tornou-se fé
De que é um amor como criança
É constante e confiante
E vai vingar...me acompanhar.
Quando resolveres chegar,
Te farei feliz
Lembrarei  todas as estrelas
Que vi ao orar
Todas as luzes
que vi ao dizer
Todos os pensamentos
E todas as poesias que te fiz!
Há de vir, há de chegar,
Aquele que vai nos libertar...'

luisadalartesa©

Tuesday, December 28, 2010

Poemas para Apaixonados



'O Beijo' _ Luisa Dalartesa



Quisera


'Quisera atrás da porta
Sob a luz que tudo corta
Estivesse você
Quisera eu passasse
E a você encontrasse
Pra ser contigo um só
Pra fazer de dois corpos
Um só
Que nada e nem ninguém
Neste mundo
Pudesse separar
Só assim eu sentiria
Toda a valia
De ter te amado
Todo o tempo
Tê-lo desejado
Sem jamais descansar.'


luisadalartesa©

Monday, November 29, 2010

Se...



Se...

Sei que achas o amor tolice
Mas se quisera talvez sentisse
Assim jamais pensaria
Feliz, exaltado seria
Com palavra de ternura
Que o tempo
O quotidiano
Jamais te usurparia
Sei que achas tolice
Papo roto e mesmice
Mas ah...se ao menos tu sentisse!
Se não relegasses ao léu
Das profundezas, ascenderias
Feliz e seguro ao meu céu!


luisadalartesa©

Por um momento...








'Por um momento'

Espalhei meus escuros cabelos
Sobre a fronha de teu travesseiro
Na alvura deixei o perfume
Entranhado nos fios de negrume
Revirei teu corpo sobre a cama
Deliciei teus ouvidos
Passei como um cometa
Fulgurosa como estrela
E ganhei meu espaço no teu universo.


Luísa Dalartesa


Reg.71364533237-LuísaDalartesa

Monday, November 22, 2010

Felicidade



Felicidade na Cidade

Se me desejas, queira-me logo
Não percas em muitas dúvidas
Corre veloz à felicidade
Pois muitas vezes nas dúvidas
Se perdem as grandes oportunidades!

Se me queres, vinde!
Sem medo de se expor
Deixa uma vez em tua vida
A realidade ser o Amor!

Rirás muito!
Para os males espantar
Verás graça nas flores
Se pegará a cantar
Ansiarás o fim do dia
Pra virdes me encontrar
Terminar a noite em alegria
E na paz ressonar...



Reg.71364533237-Luísa Artésa

Friday, November 19, 2010

Ingenuidade



Quão difícil é se livrar
Deste amor acostumado
Curtido pelo tempo
Que no pensamento
Levo para o leito
E dele o marco!
Quão difícil é evitar esta angústia,
Esta saudade...

Me falta astúcia
Eu sofro, tu sofres
Neste amor impossível
E olhando o alvo leito
Desejo que antes eu sofresse
Aninhada em teu peito!



Reg.71364533237LuisaDalartesa

Sofrimentos inúteis



'Se deveras tu houvesses, sim, guardado
Em teu coração incrédulo e machucado
As palavras de doçura, por mim proferidas
Não serias tão pesado e infeliz
Não teriam lhe causado tantos danos e feridas
Terias buscado ansioso o meu passo
E também, o calor de meu abraço
E então, tu, agora, não sofrerias...'

Thursday, October 14, 2010

Poema de uma alma guerreira

Poema de uma alma guerreira

Ame-se!

Levante-se!
Reaja!
Lembra de tuas quedas e erguidas
Lembra de horas doces e doloridas
Aprenda com derrotas
E tenha em mente muito mais as suas vitórias
Ganhe confiança
Reacenda a esperança
Lute, caia e levante
Vença para ganhar o prêmio ou a dignidade
Esta última a de maior valor!


Sunday, September 19, 2010

Poema para Apaixonados




'Indecisão'

Se o que tens

É amor...

Se é amor

Pra que pensar?

Se é amor

Por que não tentar?

Se é amor

Me deixa tentar

Me deixa ficar

Um pouco

Me deixa estar contigo.

Se o que tens

É amor...

Me deixa te ver

Te saber

Te ligar

Me deixa escrever

Contigo estar.

Se é amor o que tens

Me deixa te mostrar

Que há coisas diferentes.

Se é amor

Me leva contigo

Ou vem pra mim

Pra constatar

Que algo pode ser inédito

Na secular história do amar.

Thursday, July 15, 2010

Criatividade





'Criatividade'


Dorme a cidade...
Eu fico acordada
Criando as coisas
Que farão parte do dia de amanhã
Dorme a cidade...
Eu fico acordada
E o mundo com isto
Ganhou mais poesia
Mais alegria
Mais sentimento
Sobreviveu mais no que é bom
Dorme, cidade...
De azul,amarelo,vermelho
Vou pintando flores, céus, guarda-chuvas
Vou trazendo cor junto com a aurora
Amanhã não haverá tristeza
Só a paz de agora.

Sunday, July 04, 2010

Para uma mulher bem depois dos 40...




'Mulher de 40' - Luísa Dalartesa



Pra uma mulher bem depois dos 40...

A vida passa, a idade avança,
Mas com a beleza, não se vai a esperança,
Ainda resta no sorriso, da menina doce, a lembrança,
Da moça sonhadora que, um dia, alcança
Na mulher que achava que o seu tempo acabou
E agora...
Vê que ainda está na hora de ser, infinitamente, feliz!




Pra quem disse...

Quem disse que não há mais tempo?
Quem disse que é tarde,
Que o que que arde
Já se apagou?
Quem disse que não se pode mais viajar,
Conhecer países e pessoas,
Aprender coisas complicadas
Rir de quase tudo
Não temer quase nada?
Quem disse que não dá pra usar certas coisas
Que não dá pra sair pra se divertir
Que não dá pra escolher por si só
O que se quer fazer?
Quem disse que só na juventude
Se pode ser feliz
Que só com a beleza e frescor
Pode se viver um grande amor?
Quem disse, se disse, se perdeu
Da vida nada entendeu.
A melhor hora da gente
É, sem dúvida, a hora em que a gente aprende
A andar com as próprias pernas
Ou a se fazer entender
Que tem
Indiscutívelmente
O direito de ser feliz e de viver!

Os meus melhores anos não foram
Os de quando eu tinha uma pele jovem
E um temperamento inquieto...

Estes têm sido os meus melhores anos!


Sunday, October 19, 2008

Observâncias

"OBSERVÂNCIAS"

DEUS ABENÇOE OS CORAJOSOS
PORQUE ATIÇAR E CORRER É FACIL DEMAIS
DEUS ABENÇOE OS QUE AMAM DE FATO
PARA QUE NÃO SOFRAM JAMAIS
DEUS ABENÇOE OS QUE PROCURAM
UM COLO, UM AFAGO, UM ABRAÇO
E NÃO TÊM ONDE BUSCAR
DEUS ABENÇOE OS QUE CHORAM
OS QUE NÃO DORMEM
OS QUE SE DÃO PARA OS OUTROS
SEM NADA RECEBER...
DEUS ABENÇOE OS QUE ACREDITAM
NAQUELES QUE DIZEM QUE O AMAM
MAS QUE A BEM DA VERDADE
AO AMOR SÓ DIFAMAM...
DEUS ABENÇOE AOS QUE ESCREVEM
SEUS SENTIMENTOS
SEUS RECEIOS
SEUS PRANTEIOS
SEUS DESEJOS...
DEUS ABENÇOE DE UMA VEZ
POIS NÃO MAIS É POSSÍVEL
QUE POR TANTO SOFRIMENTO
SE PERCA A LUCIDEZ...
DEUS ABENÇOE QUEM É SÓ
O QUE TRAZ NO PEITO
O PESO DE UMA PEDRA DE MÓ
O QUE QUER A LUZ
MAS VIVE NA ESCURIDÃO
O QUE RACIOCINA
MAS TEM BOM CORAÇÃO
DEUS ABENÇOE À MIM E À TI
SE ESTAMOS POR ACASO
NESTA CONDIÇÃO. 

luisadalartesa©

Sunday, September 14, 2008

Amiga Solitude





Vivo! 
Mas meu bem estar sempre esteve aliado a solidão.
Na solidão aprendi a meditar...aprendi a tudo enfrentar.
E por conseguinte, a nada temer."


"Solidão"

Que tens contra a solidão?

Na solidão ninguém te atinge

Ninguém apunhala teu coração...

Dor de quê então?

Dor nada, solução!

Só, tu não sofres a leviandade

Tu não choras a falta de privacidade

Não te arrastas amando quem não te dá valor...

Pense, então por favor...

O que lamentas?

Vagar indócil pelas horas

Cozinhando o mal que alguém fez?

Solidão...

Como uma imensidão és tu

Silênciosa e forte

Rochosa como nos fiordes

Tu não me perturbas

Não me ofendes e não me mordes...

Em tua mudez a paz reina

Sim, solidão, pra quê mais?

Voltar à alguém?

Por enquanto, sinceramente, jamais...!


Friday, July 18, 2008

Sobre amor e pingos de chuva




Havia só amor

Só alegria

E da paixão o ardor

Mas havia distância

Havia medo

Às vezes intolerância

Instalou-se aos poucos a dor

Mas não morreu o amor!

O tempo foi passando

As coisas se aclarando

Tudo se esclarecendo

E o amor foi renascendo

Nada então terminou

Foi o cansaço que nos levou

Mas um dia de sinceridade

Nos fez ver a bem da verdade

Que o amor enraizou...

Vede só que beleza

O trigal amarelou

E de novo madurou!

Os ventos do sul então cantaram

Por nós dois sopraram

E a felicidade de outrora

De novo se espalhou...

En tuas flores ficamos

Em minhas flores

Deitamos

Os nossos tangos

Dançamos

E em todas as cores

Pactuamos

Um amor cada vez maior!!


Luísa Artèsa.

Sunday, June 15, 2008

Inusitado




"Inusitado"


"Que inusitado
Eu que qual barco desgovernado
Estava nas águas
Sem saber que rumo tomar
Que surpresa
Eu que ouvia
Que só
Nesta vida
Não saberia me aprumar
Que inusitado
Mostrou-se meu bocado
O quinhão me reservado
Pela vida que não dorme
Que vê e escuta
Que as razões prescuta
E não pode parar
Do nada tirei um pouco
Das pedras tirei leite
O pouco virou algo
Que pode vir a ser muito
Minhas lágrimas que rolaram
Adubaram minha terra
E dela floresceram
Brotos da minha quimera
Vou caminhando, pisando
No caminho que me foi legado
Mas a cada dia eu vejo
Que tudo posso
Nada será negado
Quantas dores eu senti
Quanto mal me foi feito
E agora vejo na recompensa
Que o traço de Deus é perfeito!!"




Wednesday, December 27, 2006

Madrigais

Resposta

Não se apaixonem
Porque amor eu já tenho
E ele consome
E olhos não tenho
Para ninguém mais
Não se enamorem
Porque amor não é pra sempre
Chegou de repente
E não pode ficar
Não fantasiem, nada esperem
Só na aparência
E só na essência
Só no peito e na consciência.
É como tinta indelével
Nascemos sós,
Marca em brasa
Chega todos os dias
Para queimar.
Longe está
Mas eu tenho asas
Quando sem ele não quero ficar
Não posso deixar de amar
Quem me busca no vento
Na canção da cigarra nos madrigais
É o homem que me ajeita
E me ama no meio dos trigais
Não esperem
Os que me querem
Chegaram tarde demais.


Saturday, November 25, 2006

A folha e o vento


"A folhinha e o vento"

Bailam douradas as espigas ao vento
Veio me buscar sempre a seu tempo
Nunca me deixa ir embora
E eu me vou com ele sem demora
Bailam as hastes ao sol a pino
Parece sinfonia ao violino
Vento, vento
Que vem me buscar
Quantas vezes mais
Irei contigo voar!

Grande amor é assim
Nunca parece ter fim
A folhinha de agora
Foi a folhinha de outrora

E vai ela, leve e dançando
Por cima dos pastos
Das casas e dos muros
Vai folhinha companheira
Firme e forte pro futuro

Vento, vento, apaixonado
Fico vendo o seu bailado
Mal-me-quer
Bem-me-quer
Sou do doce a colher
Sou do leite o café

Nos teus braços achegada
No teu corpo emaranhada
Co' as cordas de teu coração
Me mantém bem amarrada

Nosso beijo
É benfazejo
Diz toda criatura alada
Que acompanha a folhinha e o vento
Em suas histórias de espigas douradas

Lembra da época em que via o trem?
Á Deus agradeça e diga amém!
Por ter lhe guardado este amor
Que te preza como ninguém
Qual folhinha voadeira
Que em teu vento vai e vém!


(L.Artèsa)


Friday, November 24, 2006

Palavras, palavras...



Viste!
Depois que muito debatestes...
Cansada estás a ficar
De tanto ter que explicar!
De tanto ter que provar!
De tanto ser interpretada
Posta em dúvida...vasculhada...
Cansada estás...
De dar a quem não merece
De quem não tem coragem
De assumir o que acontece!
Por quê deves se envergonhar?
Se nada fizestes para se desfigurar
Não fostes infiel, não fostes o fel
Não fostes a derrocada
Fostes apenas a parte prejudicada...
Que fizestes afinal?
Fizestes algo na intenção do mal?
Com o vento comprometida
Com o nada amarrada
Fostes égua que passou encilhada
Tsk,tsk, pobre coitada...
Por cavaleiro laçada!
Não sabias dócil eqüina?
Perigoso é saltitar livremente
Em terreno onde dá serpente?
Vai-te agora, sem espora
Não te cause mais dor
Vê se aprende de uma vez
Que não há o tal do amor!
Tudo é jogo de conveniências
De perdas e ganhos
Onde a doçura é a derrota
A ingenuidade é a presa
Num mundo que mentiras arrota
Artimanhas e sapiências
Assim é o reino das aparências!
Vai pro seu lado égua perdida
Esperar de Deus consolação merecida...
Salmoura para o lombo em dor...
Passa-te pela cancela aberta
Ainda te resta o consolo
De saber que sobre o amor
Sempre estivestes certa!!!


"Imprevistos"

Imprevisto
Tudo o que não se quer ver acontecer
O vinho tinto derramado no vestido branco
O jogador predileto machucado no banco
É marcar um gol contra
Perder um pênalti...
Um plano vazado, por revés revelado
Objeto errado no lugar errado
Imprevisto
Perder algo que nunca se esquece
Porque desta vez se esqueceu
Imprevisto
Amar demais sem lembrar
Que podia não se estar sendo amado
Depositar ouro
No refil da prata
É o que mata
O que não podemos controlar
Por mais que tentemos evitar...
Mas o pior de tudo
É ser cobrado
Por quem não viu
Despedaçado
E você fica acabado
Largado
Ao sol torrado
Sem ter nunca
Nenhum mal desejado...

Tuesday, November 14, 2006

De encontros e desencontros e de reencontros

Vazio

Pedaço de mim que foi arrancado
Fez o espírito mutilado
Dói, dói
Como desejo de desenganado
Dói, só dói
Desejo de perecer.
Pedaço de mim separado
Estendido ao chão ensopado
De lágrimas derramado
E de esperanças salpicado
que fim feliz tem para história triste,
E um dia esta terá.
Mas até agora, um muro se ergueu
Tirou-me a luz
Obscureceu
Dói, pedaço
Como se ainda tivesse
Preso ao corpo que tu esqueceu.
Deveras,
Vem o tempo e tudo muda
e o que deixas, sentes falta
Vem o tempo e te esclarece
Nas luz que amanhece
E lembras do caminho
Da estrada para voltar.
Pretensão de amor carnal,
não, não é este banal,
é algo muito maior,
ligação indissolúvel
que Deus firmou 
e na terra estabeleceu.
Teu rosto que antes virava
Hoje baixa a retaguarda
Hoje pensa e decide:
Vamos limpar o passado 
que de nada serve 
Só de estado
Vamos trilhar o futuro
Pois a folha é divina
E canta a pena e a tinta.
Vem chegando o dia 
De lembrar
De viver com aquele corpo
que antes esqueceu.

luisadalartesa©



"Inesquecível"
Não vamos nos esquecer
Porque tem sido inesquecível
E se tornou incabível
Tentar destruir...
Não vamos nos esquecer
Porque passamos por intempéries
Por provas fora de séries
E como árvore milenar
Resistimos
E florimos
Sem chances de terminar...
Não vamos nos esquecer
Porque somos magnéticos
Ainda que éticos
Mas sem razões a prevalecer...
Não vamos nos esquecer
Porque sei tudo o que queres
E dou sem reticências
Sem fingimentos ou aparências
Nos criamos pro nosso prazer...
Não podemos nos esquecer
Porque sabemos com certeza
Que fomos feitos sob medida
Na matemática divina
Na sabedoria elementar
Soma e produto
Número complementar...
Não vamos nos esquecer
Somos areia e mar
Sol e lua
Céus e nuvens
Não dá pra separar...
Não vamos nos esquecer
Porque agora é tarde
Ainda que se vá tentar
Vamos ficar na lembrança
Como as coisas de criança
Que volta e meia
Estamos sempre a recordar...
E em resposta a esta dúvida
Sobra o que já se sabe
Verdade a ressaltar:
Que é sempre uma questão de tempo
Para irmos e voltarmos
Tornando a nos buscar.

luisadalartesa©




"O Amor"

E por mais que me convençam
Os incautos que à mim se dirigem
Do amor nada mais falem
Dele nada mais proseiem
Flamejante retorno da certeza que me vêm
Não digo, pois, que não existe?
Mas que de amor é vero, a poesia persiste!
És o tema preferido
Aos eleitos bem servido
Porém aos meus olhos é permitido
Sabê-lo o quão é fingido
Donde estavas tu, sublime sentimento
Nas vezes em que tentei
Porque em todas elas, seu ingrato
Minhas esperanças despedaçei?
Desce o véu com a doce brisa
Que refrescou o coração de Luísa
Descortinou e cruel mostrou
Que a imperfeição humana
O amor invalida
Não me convençam os bem intencionados
Que o amor é o bem maior de todos os tempos
Eu vi no chão da minha estrada
O amor rapinando tal pássaro agourento
Feliz sou quando estou sózinha
É quando vejo a paz que tinha
E de seguir o amor, me rendendo
É do que muito me arrependo!

luisadalartesa©







"Impressões"
Pensei estar num bistrô em Paris
Meu auto-controle já por um triz
Quase perdido na companhia tua
Terna e acolhedora, que me fez feliz
A chuva fina na cidade, conferiu autenticidade
Pelo céu molhado, de nuvens pesado
A tua pele quente e o beijo esperado
Meu desejo ardente e patente
Um clima de vontades, um cheiro de flor, de sândalo e aniz
Hoje eu tive a impressão... de que estive em Paris
E no passar do tempo que a vida toma, percebi que podíamos incendiar Roma
E sobre todos os destroços, então, nos amaríamos
E sobre a ruína incandescente, não nos queimaríamos
Nossos corpos eram brasas, a que o desejo deu asas
Se farejando, se querendo nas alamedas
Feitos da mesma matéria de que foram as labaredas
Vi hoje no coração da cidade, no Centro que lembrou Paris
Revelações, lágrimas, risadas
Freud e traumas infantis...
Sabor de laranja, aroma de café, tesão contido numa prisão-mulher
Hoje eu vi dois visionários, quase incendiários
Do Centro da cidade que escapou por um triz
Pois quase foi Roma, embora me lembrasse Paris.

luisadalartesa©


"Mal da Humanidade"

Badalem os sinos
Pois quero ouvir
Do alto deste penhasco
Donde penso com asco
Na nata da humanidade
Que a bem da verdade
Vive pra destruir...
Badalem os sinos
Que quero ouvir
Do alto desta planície
Onde lanço a estirpe
Dos homens que querem ruir...
Badalem os sinos
Preciso ouvir
Me corta o vento
As ondas batem
O mar dá aval
E nos respingos
Sinto-me viva
Longe deles
Longe do mal.

(L.Artèsa)



"BAILE DE MÁSCARAS"
No baile das hipócritas exigências

Da sociedade das aparências
Entre os muitos já convidados
Pelo salão espalhados
Veludo negro, tafetá
De máscara ele está
Oculto, disfarçado...
Digo ao te ver circulando
Pelos cantos me espreitando
Sem julgamentos sumários
Noto a virtude escondida
No confuso baile da vida
Onde os cuidados são necessários...

luisadalartesa©


"Vertentes"
Que não se aquiete!Silencie...
A paixão nascida de um poema!
Dança de perfeita sincronia...
Almas em utópica sintonia!
Deixa ser expressão e vida
Toda carência suprida
A mão que o poeta anseia
E que em seu corpo passeia!
Deixe ele águas fluírem
Proporem novo curso
Quizá prevê o futuro
Uma inédita felicidade
Não efêmera
Sucinta
Mas a angústia e toda dúvida extinta!
Que não se aquietem...Os leões no ápice do cio!
Do conhecimento...Do prazer buscado
E ainda não encontrado!
Deixe o poema trazer
Penetrar...Construir...Refazer...
Luzes e palco para o ato primal!
Performance triunfal!
Êxtase corporal, espiritual
Viagem às delícias
De todas as primícias
Ser o dono, o tutor
Anuncie pois o arauto:
Não há razão de temor!!

luisadalartesa©

"Dilema"
Que se faz em hora triste
Quando a adversidade
Sem qualquer piedade
Te aponta em riste?
O que se faz com um dilema?
Eu faço um poema!
Sobre o insano
Ser humano
Ininteligível
Inatingível
Indecifrável...
Vai se entender
O lastimável
Mecanismo do ser...
Seus defeitos
Seus dias de horror
E ainda quando o assunto
Envolve o tal do Amor!
Vai se entender...
Que tantos procuram
Esta grande virtude
E o querem intenso
Puro e verdadeiro
Mas no entanto
Súbito e denso
No momento derradeiro
Quando o encontram
O rejeitam
E nem sequer suspeitam
Que pode ser o último
E o maior de todos eles!
Vai se entender o ser...
Vive por viver
Mata e não quer morrer
Não amo e nem quero
Mais nada espero
Dei pérolas à porcos
Fez-se a fila de mortos
E nada mais há
Que se querer!
Fez assim o ser humano
Inoportuno e profano
Meu coração endurecer...

luisadalartesa©



"Conclusões"

Se reparares
Nossos olhares
Nos pedem
Sem cerimônias
As barreiras cedem
Os receios implodem
Só se pensa na entrega
A faísca da esfrega
Dá fogo de cauterizar
Se percebestes
Nada mais
Então
Importe
Apenas a hora
O nosso momento
Paremos o tempo
Pra ver no que vai dar...

luisadalartesa©


"Temor de homem"
Nada buscava...e um dia cedi....

E agora por fim, compreendi...
Desprezarei os homens em meu coração
Não mais existirão
Seus pensamentos sobre mim são lamentos
As injustiças à mim aferidas são tormentos
A verdade é invisível e não aparece
E a dor de ser condenada, em mim, apenas cresce...
Não saberei mais o que é homem...
Pois meu corpo soube que eles são a dor
São as marcas, os ferimentos
Meus pesadelos, meu horror...
Não há mais como saber o que é o homem...
Aquele à que dou e não recebo
Àquele a que amo, mas me põe medo
Áquele que busco o colo em carinho
E larga meu coração no escuro, sózinho...
Vide porque não cria...não tinha como crer
Pois a cada homem que tive
Minha sensação foi a de morrer.


luisadalartesa©


"Coisas de mulher"

Apure os ouvidos
E ouça sem alaridos
As minhas coisas de mulher
Saiba dos meus segredos
Do silêncio de minh'alma
Saiba tudo o que quer
Não me condene nos erros
Não critique meus desmazelos
Não me olhe com reprovação
Pois é doce meu coração
Apure mais os ouvidos
Distingua de todos os ruídos
O meu som de mulher
É o som que anuncia
Venha o que vier
Disto é feito certas coisas
Como coisas de mulher..."
(L.Artèsa)

"Ânsia de beijos"Os beijos ansiados
A ti serão dados
Por uma boca
Que não mais louca
Buscava de novo beijar...
Os beijos esperados
Um dia realizados
Serão como o sol a pino
E darão a tu'alma o brilho
Do mais precioso ouro fino...

luisadalartesa©


"Primavera"

Chega a estação
Em que tudo floresce...
Não raro nesta época
Nos corações desce
O véu da senhora poesia
Que aquece a alma mais fria
Desejos de paz e de amor reflete
Ainda que haja melancolia...
Prima, vera é a alegria
De saber que nestes dias
A vida em ápice dá o tom
Em pensamentos e fantasias
Pra que vejamos
Na luz que ora resplandece
Que mesmo em nós a vida floresce!
A quem se julga tão desolado
Cores de fúcsias, o verde, o alaranjado
Trazem o inesperado
A certeza de ser amado
Notícias de longe
Um amor que está à frente, ou ao lado
E que nunca se percebeu...
Som de risos, som de riacho
A branca nuvem reluzente
Um pontilhado de gente
Visto do alto da nossa cidade...
Infelicidade
Não é ter o que queremos
E ainda não recebemos...
Felicidade
É se estar vivo
Para buscar o que sabemos
Que por todo anterior sofrimento
Nós, enfim merecemos.

luisadalartesa©